25 de abril de 2017
Inicial | Notícias | Bicicletas | Rungu Juggernaut e Kilimanjaro, as “fat-trikes” made in California
Uvex_468x60

Rungu Juggernaut e Kilimanjaro, as “fat-trikes” made in California

Com seus enormes e macios pneus, que permitem que elas possam literalmente flutuar sobre neve e areia, as fat-bikes estão experimentando uma crescente popularidade nos últimos anos.

Em dezembro, a aventureira britânica Maria Leijerstam conseguiu a façanha de ser a primeira pessoa a ir pedalando até o Polo Sul, abordo de uma fat-trike. Agora, a empresa californiana Standard Bearer Machines uma nova linha de triciletas denominada Rungu.

Ao contrário da fat-trike de Maria Leijerstam, cujo usuário pedala reclinado (recumbent), a Rungu foi desenvolvida para ser pedalada na posição sentada, como uma bike convencional. Embora haja um imenso debate sobre as vantagens e desvantagens das recumbents, os designers da Rungu afirmam que sua configuração oferece melhor eficiência na pedalada do que nas trikes recumbent.

Como se pode observar nas fotos abaixo, A tricicleta é construída com um roda traseira e duas dianteiras. Um link na caixa de direção permite que as duas rodas virem simultaneamente para a direita ou para a esquerda.

Fotos:

Ok, mas e daí? De acordo com a equipe que desenvolveu a Rungu, transportar pranchas de surfe em uma bicicleta convencional de duas rodas, ainda que seja uma fat-bike, tem seus inconvenientes, principalmente no que diz respeito à estabilidade. Ao colocar duas rodas na frente, o peso é melhor distribuído, ajudando na estabilidade da bike, do ciclista e da carga. Com esta configuração, a Rungu pode facilmente subir pequenos lances de escadarias com facilidade.

Evidentemente que, se esta configuração permite que a Rungu seja de fato uma excelente beach bike, por outro lado torne-a totalmente inútil em um singletrack.

Atualmente são disponibilizados dois modelos da Rungu. O Juggernaut (que leva o nome de um super-herói da Marvel) utiliza pneus aro 26 polegadas com 4,7″ de largura e é voltado para o uso tradicional na areia ou na neve. Ela pesa 25,4 kg e seu preço sugerido, nos Estados Unidos, é de US$2.500.

A Kilimanjaro herda a maioria das características de sua irmã, porém utiliza pneus mais “magrelos” de 29 polegadas x 2,5″ de largura. Ao contrário da Juggernaut, que utiliza garfos rígidos, a Kilimanjaro utiliza dois amortecedores RockShox com 100mm de curso. Seu uso é focado em estradas de asfalto ou de terra, onde velocidade e agilidade são mais necessários. Ela pesa 24,4 kg e custa, nos Estados Unidos, 2.600 dólares.

Ambos os modelos possuem diversos pontos de montagem em seus quadros para permitir a montagem de uma infinidade de acessórios de transporte, como bagageiros, racks e reboques.

Vídeo:

error: Textos, fotos, artes e vídeos do site MTB Brasília estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral. Não reproduza o conteúdo do jornal em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização