22 de julho de 2017
Inicial | Notícias | Estudo conclui que cerveja hidrata tão bem quanto bebidas isotônicas
JPG Heelys 468x60
Lendas vivas do MTB, o francês Cedric Gracia e o inglês Steve Peat não abrem mão da cerveja após suas pedaladas

Estudo conclui que cerveja hidrata tão bem quanto bebidas isotônicas

Além de suas propriedades hidratantes, substâncias presentes em sua composição permitem prevenir e até mesmo combater enfermidades degenerativas como Parkinson, Alzheimer e arteriosclerose

Uma notícia que com certeza agradará os ciclistas que curtem tomar uma cervejinha após suas pedaladas: Um estudo conduzido por especialistas do Instituto Nacional de Educação Física da Catalunha, na Espanha, concluiu que a ingestão moderada de cerveja após os treinos pode não apenas trazer diversos benefícios à saúde dos atletas, como também pode ser tão ou mais efetivo para sua hidratação quanto bebidas isotônicas.

Segundo o professor de Fisiologia do Instituto, Joan Ramón Barbany, a cerveja é um isotônico natural, com excelentes características antioxidantes de combate aos radicais livres (substâncias que promovem a oxidação celular, gerando fatiga e danos musculares), graças a presença de lactose, glucose, vitaminas, sais minerais e polifenóis, além da água em sua composição.

Além disso, cervejas são ricas em nutrientes como magnésio, silício e potássio, além de vitaminas do complexo B e  fibras solúveis.

Cerveja

Como e quando beber – De acordo com Barbany, para potencializar seus efeitos, o consumo da cerveja deve ocorrer logo após o exercício, de forma moderada (entre 330 e 400ml por dia), para se evitar os efeitos colaterais gerados pela presença do álcool (cervejas sem álcool estão liberadas).

Segundo os especialistas, o ideal é evitar tomar a cerveja diretamente da lata ou garrafa, dando preferência por vertê-la em um copo ou taça, de forma a preservar seu aroma e sabor.

Benefícios – Em outro estudo paralelo, conduzido pelo Dr. Norbert Frank e publicado durante o 4º Simpósio sobre Cerveza e Salud, realizado na Bélgica, concluiu-se que o efeito alcalinizante proporcionado pela ingestão de cerveja teria a capacidade de reduzir a ocorrência de moléstias decorrentes da prática de exercícios de alta intensidade.

O estudo sugere que o malte, as leveduras e o lúpulo possuem em sua composição substâncias que permitem prevenir e até mesmo combater alguns tipos de câncer e enfermidades degenerativas como Parkinson, Alzheimer e arteriosclerose.

Além, disso, o lúpulo da cerveja proporciona efeitos digestivos, antibióticos e analgésicos, além de ser um forte antioxidante.

error: Textos, fotos, artes e vídeos do site MTB Brasília estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral. Não reproduza o conteúdo do jornal em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização