22 de julho de 2017
Inicial | Notícias | Ciclismo | Caio Godoy e Wellyda dos Santos brilham na 71ª Prova Ciclística Internacional 9 de Julho
JPG Heelys 468x60
Chegada da Elite Masculino - Foto: Djalma Vassão / Gazeta Press

Caio Godoy e Wellyda dos Santos brilham na 71ª Prova Ciclística Internacional 9 de Julho

Principal e mais tradicional disputa da América Latina reuniu centenas de atletas, divididos pelas categorias Aspirante, Federado e Elite

A Prova Ciclística Internacional 9 de Julho, a principal e mais tradicional disputa da América Latina, tem novos campeões. Neste domingo, em sua 71ª edição, a festa foi da nova geração da modalidade, especialmente a radicada em São José dos Campos, no Vale do Paraíba (SP). Caio Godoy Ormenese, de 22 anos,  da Soul Brasil Pro Cycling/São José dos Campos, e Wellyda  dos Santos, de 21, da Funvic Brasil Procycling/São José dos Campos, venceram pela primeira vez a prova, com largada e chegada na Avenida Lineu de Paula Machado, em frente ao Jockey Club. Caio marcou o tempo de 2h32min16seg para o percurso de 113,5 km, enquanto Wellyda fez os 68,1 km em 1h54min12seg.

Foto: Fernando Dantas / Gazeta Press

O evento reuniu centenas de atletas, divididos pelas categorias Aspirante, Federado e Elite, em mais uma grande festa do esporte e acompanhada por um bom público. Na Aspirante (45,4 km de percurso), os vencedores foram Renato Campos Pereira (ERT Uniformes), 1h09min08seg, e Evelyn Quilles Moura (Velo48), 1h17min56seg. Já á Federado (90,8 km) masculino, o título ficou Peter Lemke Schrader, 2h14min19seg.

Uma das atrações do ciclismo nacional, a Prova Ciclística Internacional 9 de Julho costuma reunir as principais equipes do país. De volta às ruas e avenidas paulistas desde 2015, a competição tem como marca boas disputas e definição apenas na última volta, geralmente no sprint. Neste ano, a briga no masculino foi interessante, com algumas fugas, obrigando o pelotão a se esforçar para buscar. O jovem e talentoso ciclista Caio Godoy, aproveitou esse momento na volta final, garantindo a sua primeira vitória e seu nome na lista de campeões do evento.

Foto: Sergio Barzaghi / Gazeta Press

“A equipe fez um grande trabalho e, no final, surgiu a chance de vencer e consegui ter sucesso. Apostei num ataque no final e deu muito certo. Estou feliz e espero seguir nesta evolução pensando num vaga na equipe dos Jogos de Tóquio, em 2020”, destacou o atleta de Campinas (SP) e que foi reserva na equipe olímpica na Rio 2016. “Esse é meu objetivo, representar o país no Japão”, completou o campeão nacional  de Contra-relógio e Estrada Sub-23.

Chegada da Elite Feminino – Foto: Sergio Barzaghi / Gazeta Press

Feminino – O Feminino também teve emoção de sobra. A definição, entretanto ficou para duas ciclistas. Wellyda dos Santos e Thainá de Lima, ambas destaques da nova geração do ciclismo nacional, fizeram um grande duelo, com a definição acontecendo em cima da linha de chegada e confirmada pela fotografia. Terceira colocada no ano passado, a paulista da cidade de Pereira Barreto Wellyda garantiu o título.

Pódio Feminino – Foto: Sergio Barzaghi / Gazeta Press

“Estou muito feliz por essa conquista, pois se trata de uma prova muito importante no país. A minha equipe fez um ótimo trabalho para conseguirmos mais um resultado positivo. Mas não foi tão fácil e teve momentos que pensei que não conseguiria. A força psicológica  foi fundamental para terminar e vencer”, destacou a atleta, campeã panamericana sub 23, e que este ano venceu a Prova 1º de Maio e ajudou seu time a conquistar o Torneio de Verão. “Estamos trabalha do forte, pois quero estar nos Jogos Olímpicos de 2020”, finalizou.

A 71ª Prova Ciclística Internacional 9 de Julho foi uma realização da Gazeta Esportiva, com promoção da Fundação Cásper Líbero e organização técnica da Federação Paulista de Ciclismo.

Resultados

Elite

Masculino - 113,5km

Masculino - 113,5km

  1. Caio Godoy Ormenese (Soul Brasil Procycling/São José dos Campos), 2h32min16seg
  2. Joel Candido Prado Junior (Memorial Santos Fupes), 2h32min24seg
  3. Rodrigo Araújo de Melo (São Francisco Saúde/Klabin/SME Ribeirão Preto), 2h32min24seg
  4. Roberto Pinheiro da Silva (Soul Brasil Procycling/ São José dos Campos), 2h32min24seg
  5. Sidnei Fernandes (Team Audax/SBC/Caixa), 2h32min24seg

Feminino - 68,1km

Feminino - 68,1km

  1. Wellyda dos Santos (Funvic Brasil Procycling/São José dos Campos), 1h54min12seg 
  2. Thayná de Lima (Memorial Santos/Fupes), 1h54min12seg
  3. Luciene Ferreira da Silva (Funvic Brasil Procycling/São José dos Campos), 1h55min24seg
  4. Camila Coelho Ferreira (Memorial/Santos/Fupes), 1h55min25seg
  5. Talita da Luz de Oliveira (Liga de Ciclismo de Campos Gerais), 1h55min25seg

Aspirante

Masculino - 45,4 km

Masculino - 45,4 km

  1. Renato Campos Pereira (ERT Uniformes), 1h09min08seg
  2. Daniel Conti (Ciclo Ravena), 1h09min08seg
  3. Alexandre Nogueira (Hard Bike), 1h09min10seg

Feminino - 45,4 km

Feminino - 45,4 km

  1. Evelyn Quilles Moura (Velo48), 1h17min56seg
  2. Patrícia Abibe (BFF/Race), 1h18min56seg
  3. Andrea Amorim (Race), 1h20min45seg

Federado

Masculino - 90,8 km

Masculino - 90,8 km

  1. Peter Lemke Schrader, 2h14min19seg
  2. Emerson Hernanchi (Bardahl Promax), 2h14min20seg
  3. Ricardo Silva (Água Fresca Pro Team), 2h14min20seg

Sobre a Prova

Instituída em 1932 pelo jornalista Cásper Líbero em homenagem à Revolução Constitucionalista e realizada pelo jornal A Gazeta Esportiva a partir de 1933, a Prova Ciclística 9 de Julho é um patrimônio do esporte brasileiro. O evento tornou-se um marco na modalidade, sendo objeto de desejo dos atletas e equipes. Ao longo dos anos, os principais nomes do país e destaques do exterior prestigiaram o evento, colocando-o em um lugar de destaque nos cenários nacional e internacional. Em 2016, a “9 de Julho” passou a ser a Prova Ciclística com o maior número de participantes no Brasil, com o total de 2.129 competidores.

error: Textos, fotos, artes e vídeos do site MTB Brasília estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral. Não reproduza o conteúdo do jornal em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização