20 de novembro de 2017
Inicial | Destaques | Desengraxante Algoo Pro Bio Degreaser

Desengraxante Algoo Pro Bio Degreaser

Produto biodegradável com alto poder de limpeza é indicado para o usuário doméstico para a remoção de sujeira da corrente e dos demais componentes da transmissão da bicicleta

Em setembro deste ano, a Algoo, empresa brasileira especializada em produtos químicos para limpeza e conservação de bicicletas, apresentou por ocasião do Shimano Fest uma nova linha denominada Algoo Pro, destinada ao uso em pequenas oficinas e usuários domésticos.

Um dos produtos da linha que mais me chamou a atenção foi o Bio Degreaser, um desengraxante biodegradável com alto poder de limpeza, destinado à manutenção de transmissões de bicicletas.

Como já escrevemos aqui no site até a exaustão sobre a importância da manutenção da corrente e da transmissão como fator principal para sua eficiência e durabilidade, vou me abster de entrar em maiores detalhes por aqui, embora ressalte que de pouco adianta lubrificar estes componentes sem uma prévia limpeza dos mesmos.

Para o ciclista entusiasta – em especial aquele que mora em apartamento -, na maioria das vezes, proceder o ritual de limpeza e lubrificação da bicicleta sem recorrer a uma oficina especializada é tarefa praticamente impossível. Pelo menos até agora…

Apresentado sob a forma de lata em aerosol com 300ml, o Algoo Pro Bio Degreaser é um desengraxante de alta eficiência, capaz de remover facilmente a sujeira pesada e resíduos de óleo de correntes, cassetes, polias de câmbio e coroas.

Possui como ingrediente principal um tensoativo (substância capaz de alterar as propriedades interfaciais e superficiais de um líquido – no caso o óleo e a graxa -, agindo como um detergente) biodegradável e de odor pouco pronunciado.

Uma vez aplicado sobre a relação, a substância aglutina-se com a sujeira, sendo facilmente removida com o auxílio de um pouco de água. Após a secagem, a corrente está pronta para ser lubrificada novamente.

O teste – Embora o Algoo Pro Bio Degreaser possa e deva ser utilizado em serviços rápidos em oficinas mecânicas, resolvi testá-lo para fins domésticos, ou seja, para o uso por ciclistas comuns.

Para isto, aproveitei um dia chuvoso para ‘moer’ a bicicleta na Floresta Nacional de Brasília (Flona), um dos locais favoritos da cidade para a prática do mountain bike. Após meses sem que caísse uma única gota de água do céu, a chuva finalmente resolveu dar o ar de sua graça por aqui, para a alegria de todos. O resultado foi uma trilha onde prevaleceram poças de água, muito barro e lama. Do jeito que eu gosto!!!

 Nem vou entrar em detalhes sobre o estado geral da bicicleta no término da pedalada! Felizmente, a administração da Flona instalou chuveiros próximos ao bebedouro, que permitiu a mim e aos meus amigos retirar o excesso da lama do corpo e das bikes, possibilitando assim entrar no vagão do metrô sem que a Saúde Pública nos interditasse…

Evidentemente, apenas a água não foi suficiente para a remoção da sujeira acumulada na corrente e demais componentes da transmissão. Assim, munido de uma lata de Bio Degreaser, uma garrafa de água, uma escova e um pano seco, resolvi partir para conferir a eficiência do produto.

A lata do produto conta com um prático canudo, que permite aplicar o mesmo diretamente na relação sem o risco de atingir a pintura do quadro (caso isto ocorra lave-o imediatamente, para evitar possíveis manchas).

Durante a aplicação, deve-se evitar borrifar o produto sobre a pintura o quadro

Segui a risca as instruções: agitei vigorosamente a lata e apliquei o produto na corrente enquanto com uma das mãos  girava o pedivela no sentido anti-horário. Repeti o procedimento no cassete, nas coroas e nas duas polias do câmbio traseiro. Em seguida, deixei o produto agir por dois minutos e enxaguei com um pouco de água.

Logo na aplicação do Bio Degreaser, boa parte da sujeira começou a escorrer, antes mesmo do enxague, o que demonstra a eficiência do produto. Tanto a corrente quanto o cassete e as coroas precisaram de uma única aplicação para ficarem como novas. Já as polias, onde o acúmulo de resíduos foi sensivelmente maior, necessitou de uma segunda aplicação e da ajuda de uma escova de dentes velha para ficar limpa.

Detalhe do cassete e da corrente antes (a esquerda) e depois da aplicação

Lubrificantes – Neste primeiro teste, a corrente havia sido previamente lubrificada com óleo para tempo úmido (FinishLine Cross-Country), que foi removido com eficiência pelo Algoo Pro Bio Degreaser. O produto foi eficiente também na remoção de resíduos de uma corrente lubrificada com óleo a base de teflon (Algo PTFE).

Em testes posteriores, realizados neste fim de semana em minha bicicleta de estrada, o produto conseguiu remover outros tipos de óleo (tanto o Muc-Off Wet para uso em tempo úmido quanto o Muc-Off C3 Dry Ceramic, para tempo seco).

Em lubrificante a base de cera, como o Smoove e o Algoo Lube, a remoção foi mais difícil, necessitando em ambos os caso o uso de uma escova e reaplicação do produto para a limpeza completa.

Conclusões  – No geral, trata-se de um produto extremamente prático para uma limpeza rápida da transmissão, antes de se realizar a etapa de lubrificação. Embora até então eu tenha utilizado outro produto da Algoo, o PowerSports, o Bio Degreaser consome menos água e tempo durante a operação, sendo uma excelente opção para o ciclista que faz questão de preservar seu equipamento e deixá-lo sempre pronto para a pedalada.

Outro fator que pesa a favor do Algoo Pro Bio Degreaser é seu preço baixo (cerca de 25 reais).

Os produtos da Algoo são distribuídos em todo o Brasil com exclusividade pela Isapa.

Desengraxante Algoo Pro Bio Degreaser

Eficiência
Facilidade de uso
Versatilidade
Preço

Ótimo

Desengraxante para uso doméstico, prático e de fácil utilização

User Rating: 5 ( 2 votes)

Pontos positivos

  • Facilidade de uso;
  • Praticidade na aplicação;
  • Economia de tempo na manutenção da bicicleta;
  • Biodegradável;
  • Preço baixo.

Pontos negativos

  • Não é tão eficiente na remoção de resíduos deixados por lubrificantes a base de cera.

Sobre o autor

André Ramos é editor do website MTB Brasília
error: Textos, fotos, artes e vídeos do site MTB Brasília estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral. Não reproduza o conteúdo do jornal em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização